Java 16, o que temos de novidades ?

Danilo Sales
6 min readMar 22, 2021
Photo by Clément Hélardot on Unsplash

A mais recente versão do Java foi lançada dia 21 de março de 2021. Para esta versão foram incluídas 17 JEP (JDK 16 GA Release). Esta é uma versão de feature release, o que significa que o suporte oficial dela é de somente 6 meses, sendo assim ela substitui a JDK 15 lançada em setembro de 2020, essas versões são interessantes para que possamos avaliar e testar novas funcionalidades da linguagem. Em setembro teremos o lançamento da versão 17 e esta será uma versão LTS(Long Term Support).

Alguns dos novos recursos incluem mudanças no ZGC, suporte à versão 14 do C++ para evolução da JDK e JVM, capacidade elástica do metaspace, novas APIs e ferramentas.

  1. JEP 338 Vector API (Incubadora)

A ideia por trás desta API é fornecer uma forma de realizar cálculos de vetor que compilam em tempo de execução para instruções de hardware de vetor em CPUs que suportam esta arquitetura, e assim, alcançar desempenho superior para cálculos escalares equivalentes, sendo agnóstica ao tipo de arquitetura. Uma das metas é que mesmo que o código venha a ser executado em uma máquina que não tenha suporte a vetores na CPU, ela tenha uma degradação de performance de forma "graciosa" e ainda realize os cálculos necessários, e a aplicação continue funcionando corretamente.

2. JEP 347: Enable C++14 Language Features

É possível agora utilizar os novos recursos da linguagem C ++ 14 no código-fonte do JDK. Apesar de que no lançamento do JDK 11 ter sido atualizado para suportar as novas versões do C++, não era possível ainda utilizar as novas features no Hotspot da JVM.

3. JEP 357: Migrate from Mercurial to Git

Pode parecer estranho, mas se tratando do java que está ai há 25 anos, o código fonte do openjdk ainda era versionado no Mercurial então foi feita a migração do código para Git. Os maiores benefícios são a redução do tamanho e recursos disponíveis deste sistema de controle de versão.

4. JEP 369: Migrate to GitHub

Todos os repositórios agora se encontram no GitHub, isto trouxe várias vantagens como o uso das actions do github e outra vantagens desta plataforma, como definição de alguns workflows antes de um merge ao código fonte.

5. JEP 376: ZGC: Concurrent Thread-Stack Processing

O Z Garbage Collector(ZGC) foi projetado para mitigar as pausas de GC e os problemas de escalabilidade no HotSpot. Para ir além da situação atual, o processamento por thread, incluindo varredura de pilha, foi alterado para ocorrer de forma simultânea. Com isto, o custo de latência deve ser insignificante e o tempo gasto nos pontos seguros do ZGC em máquinas comuns deve ser inferior a um milissegundo.

6. JEP 380: Unix-Domain Socket Channels

Os sockets de domínio Unix são usados ​​para comunicações entre processos no mesmo host. Eles são semelhantes aos soquetes TCP/IP em muitos aspectos, exceto que são endereçados por nomes de caminhos do sistema de arquivos ao invés de endereços IP e números de portas. O objetivo deste novo recurso é oferecer suporte a todos os recursos dos canais de soquete do domínio Unix que são comuns nas principais plataformas Unix e Windows. Eles são mais seguros e mais eficientes do que as conexões de loopback TCP/IP para comunicações locais entre processos.

7. JEP 386:Alpine Linux Port

O Alpine Linux é muito utilizado por containers devido ao tamanho de sua imagem. Uma imagem Docker usando o Alpine gira em torno de 6 MB, permitir que o Java seja executado em tais configurações permitirá que Tomcat, Jetty, Spring e outras estruturas populares funcionem nesses ambientes nativamente. Ao usar jlink isto irá reduzir o tamanho do runtime do Java, tornando ainda menor criar uma imagem que execute uma aplicação java.

8. JEP 387:Elastic Metaspace

Foi adicionada uma capacidade elástica ao Metaspace da JVM, o que por consequência trás vantagens como devolver de forma mais eficiente e rápida a memória que não está sendo utilizada para sistema operacional. Essa abordagem já foi utilizada em outros lugares como o kernel do Linux e tornará prático alocar memória em pedaços menores para reduzir a sobrecarga do Class Loader, com isto a fragmentação de memória também será reduzida. Na prática ele vai dividir a memória em partes menores para ter uma melhor gestão dos recursos.

9. JEP 388:Windows/AArch64 Port

Com o uso se tornando mais constante do uso do Windows em arquiteturas ARM64, então a idéia por trás é realizar o port do JDK para esta arquitetura. Embora o porte em si já esteja quase completo, o foco desta proposta envolve a integração do porte no repositório principal do JDK.

10. JEP 389:Foreign Linker API (Incubator)

Essa API entrou em um estágio de incubação no JDK 16. A Foreign linker API simplificará consideravelmente o processo de link a uma biblioteca nativa. Esta API pretende substituir a JNI (Java Native Interface) por um modelo de desenvolvimento Java puro, para oferecer suporte ao C e, ao longo do tempo, ser flexível o suficiente para acomodar o suporte para outras plataformas, como x86 de 32 bits e funções escritas em linguagens diferentes de C, como C++. O desempenho deve ser melhor ou comparável ao JNI.

11. JEP 390:Warnings for Value-Based Classes

A proposta desta JEP é basicamente adicionar warnings de deprecated aos construtores das famosas classes wrappers de primitivos, como o Boolean, Integer e etc. Com o projeto Valhalla grandes melhorias vem sendo adicionadas a linguagem, para continuar a evolução é necessário ter acesso livre aos valores em memória para realização de cópia entre os endereços de mémoria.

12. JEP 392:Packaging Tool

Ouvimos falar de jpackage no lançamento do JDK14 onde esta JEP entrou na incubadora, e agora é oficial, portanto jpackage passa a ser uma ferramenta de produção. Caso não tenha ouvida falar dela ainda, esta ferramenta é capaz de gerar um arquivo de instalação nativo para Windows (msi ou exe), MacOS (pkg e dmg) e Linux(deb e rpm), ela encapsula a sua aplicação(jar) junto com o executável do java, ou seja, não há necessidade de se preocupar em instalar jre ou copiar os arquivos jar para executar a aplicação. A ferramenta pode ser chamada diretamente por linha de comando ou programaticamente.

13. JEP 393:Foreign-Memory Access API (Third Incubator)

Esta feature foi introduzida no JDK14, e entra pela terceira vez em testes na JDK16. A idéia por trás desta API é fornecer um meio de acesso seguro a memória externa fora a heap do Java. Foram feitas alterações, incluindo uma separação mais clara de funções entre as interfaces MemorySegment e MemoryAddresses. A API não deve prejudicar a segurança da JVM. O que motiva a proposta é que muitos programas Java acessam memória externa, como Ignite, Memcached e MapDB.

14. JEP 394:Pattern Matching for instanceof

Finalizada e liberada, esta feature vem sendo trabalhada desde a versão 14 e agora faz parte oficial da linguagem, na prática facilita nos casos onde fazemos comparações com instanceof para depois realizar o cast para uma variável, agora na própria declaração já podemos ter a variável definida caso a asserção seja verdadeira.

15. JEP 395:Records

Records deixam de ser uma feature preview, como na na JDK 14 e na JDK 15. Esta feature foi criada em resposta às reclamações de que o Java ser muito verboso e ter muito boilerplate. Os objetivos desta feature incluem conceber uma construção orientada a objetos que expressa uma agregação simples de valores, ajudando os desenvolvedores a se concentrarem na modelagem de dados imutáveis ​​em vez de comportamento extensível, implementando automaticamente métodos orientados a dados(gets, setters e etc).

16. JEP 396:Strongly Encapsulate JDK Internals by Default

Bom, esta JEP é mais um passo que vem sendo feito afim de encapsular, fechar o acesso aos componentes internos do JDK, desta forma é possível trabalhar em mudanças com mais segurança e de forma mais rápida. Esta ação mitiga mudanças que possam ocorrer na JDK e não prejudique versões anteriores que faziam acesso a classes internas, prejudicando a migração para uso de novas versões do java.

17. JEP 397:Sealed Classes (Second Preview)

No JDK entrou as classes e interfaces seladas como preview, a idéia por trás é restringir que outras classes e interfaces possam estendê-las ou implementá-las. Ao declarar uma classe ou interface como selada você consegue especificar quem de fato pode implementar ou estender o comportamento desta classe. Esta feature entra novamente como preview nesta versão.

Conclusão

Pois é meus amigos, são muitos recursos para melhorar a perfomance, consumo de memória e uso da linguagem. Espero que tenham gostado deste resumo do que esta nova versão trouxe, caso queiram bater papo deixem comentários ou me procurem no twitter: @danilosalesinfo

--

--